segunda-feira, setembro 08, 2008

Querem que eu dê o quê? É só dizer, eu dou!!!

Manifestação de professores  - Lisboa (by Loca....)


Impressionante este sistema de ensino que temos. Amanhã vou começar as aulas aos Cursos de Educação e Formação de Adultos, mais conhecidos por EFA, englobados no famoso sistema de Novas Oportunidades tão amplamente falado pelo nosso primeiro ministro....
É interessante ver como a realidade se afasta daquilo que apregoam a sete ventos por tudo o que é meio de comunicação. Estou simplesmente pasma com o que se passa.

Estes cursos legislados pela recente Portaria 230/2008 de 7 de Março (que substitui a anterior 817/2007 de 27 de Julho) são supostamente cursos formativos, onde são apresentados ao formando, diferentes unidades formativas divididas por três grandes áreas, uma das quais é Sociedade, Tecnologia e Ciência, onde eu me enquadro como formadora. Dessa área fazem parte sete núcleos geradores de conhecimentos que são:
- Equipamentos e Sistemas Técnicos (Áreas do Saber: Física, Química, Sociologia, Economia, História, Matemática)
- Ambiente e Sustentabilidade (Áreas do Saber: Física, Química, Sociologia, História, Geografia, Matemática. Curiosamente Biologia e Geologia não são consideradas áreas do saber neste tema)
- Saúde (Áreas do Saber: Psicologia, Biologia, Química, História, Matemática)
- Gestão e Economia (Áreas do Saber: Economia, Contabilidade, Antropologia, Matemática)
- Tecnologias de Informação e Comunicação (Áreas do Saber: Economia, Sociologia, Física, Matemática)
- Urbanismo e Mobilidade (Áreas do Saber: Psicologia, Geografia, Arquitectura/ Ordenamento do Território, Física, Matemática. Curiosamente Ordenamento do Território faz parte dos saberes de arquitectura, não são necessários os conhecimentos de Geologia nem de Engenharia)
- Saberes Fundamentais (Áreas do Saber: Não especifica).

Ora eu, licenciada em Geologia, daquela purinha do calhau e dos fósseis, das saídas de campo para olhar para rochas e minerais, falhas e dobras, e afins e que, mais tarde fiz umas biologiazitas porque achei que eram necessárias para a minha formação pessoal, agora vou ter uma primeira aula em Tecnologias da Informação e Comunicação, vulgo TIC, onde além de ensinar sei lá o quê de computadores, que eu só os sei utilizar, nem bem sei ligá-los à corrente, ainda vou fazer exercícos sobre hardware (mal sei o que isto quer dizer) e outras coisas semelhantes. A seguir passo para economia, eu que não consigo gerir o meu orçamento doméstico, será possível?

Dizem-me os meus amigos, não dês as aulas, na legislação está bem específico que os formadores têm que ter habilitações nas áreas de formação que lhes competem. Ora isso, neste país é apenas um pro forma, o que é que interessam as habilitações? O que é que interessa se no final os formandos adquiriram saberes nas áreas pré definidas? Tudo isso é irrelevante, no final teremos um país iletrado, inculto, desinteressado mas muito graduado. E eu sou apenas mais uma das pedras roladas do sistema que vai e vem ao sabor das marés. Querem que eu dê formação em quê? Digam lá, seja o que for, eu dou!

10 comentários:

Frederico disse...

Não sei o que é melhor, se tu a dares TIC ou se o Ricardo (Economista) a ser o responsável pelas cadeiras de informática lá na Escola Superior dele...

pikenatonta disse...

Já sabes como é que as coisas são, uma bela treta... :/ Espero que as coisas corram bem, apesar de tudo!!

Beijinhos grandes para ti miga!

Bart (ao tempo que não assinava assim) disse...

Pensado bem, o raciocínio do PM até tem a sua lógica: se ele não tirou o curso de engenharia e é engenheiro técnico, qual quer um que não tire o curso de engenharia informática ou de economia, pode ser engenheiro informático ou economista. (Repare-se só na qualidade dos economistas do governo, as previsões e os resultados são o menos, mas até conseguem fazer truques de magia, por exemplo, fazer aumentar o défice por magia no início/final de cada mandato.)
Isto é liberdade, isto é igualdade, meus amigos!
Aposto que se lhe pedir com jeitinho, a tal universidade volta a abrir portas (aí num domingo à tarde, para não causar transtorno a ninguém)e passa os respectivos canudos.

Loca disse...

Ah mas o Ricardo que se ponha a pau porque a seguir também vou dar economia, do programa fazem parte balanços disto e daquilo de que não percebo pevas, mas também, isso interessa para alguma coisa?

Apesar de tudo, hão-de correr, pikena.

Com artes de berliques e berloques, com uns tiques com uns toques tudo se faz, bart. Só inglês técnico é que eu acho que não tenho habilitação. Seria uma chatice se tivesse, ainda seria a próxima primeira ministra, já viste?

Cenoura disse...

Dá qualquer coisa...
Principalmente o 'diplimazinho' no fim e a habilitação pretendida de bandejazinha na mão que é só o que se pretende...
Ah, a tua vida também, todo o teu tempo para preparares manuais que não existem e para fazeres reuniões sabe Deus para quê.
Já agora podes pôr também um alguidar com 'aguinha de rosas' no canto da sala que é só o que falta.
Como eu te compreendo...

Bart disse...

Nem precisa de inglês técnico para ser ministra, aliás, pelo que o governo nos dá a entender, nem precisa de experiência no ensino primário e secundário, aliás, não precisa de nada, nem de pensar muito, desde que forje boas médias no ultimo ano de mandato e más no primeiro e que acreditem que está a trabalhar.

Mas sim, qualquer cargo abaixo de PM é mau, estaria subjugada à vontade do resto do governo. Um Primeiro Ministro ao menos podia dissolver cargos e renovar aquilo tudo. Acho que está para vir o dia em que haja lá alguém sério, ou não, dado que a politica é isso mesmo: a lei do maior parlapier ou do mais manhoso. Os outros são deitados abaixo.

Jarreta disse...

Poisé!!!
Mas antes da água de rosas, deves purificar-te mas é com um bom bano de arruda, p'ra espantar as energias negativas.... hehehehheeh
professor sofre!!!!!!!!!!!!

Loca disse...

Comentários do queijadas para o mesmo post:

Cenoura disse...

O problema é que em última instância são SEMPRE os miúdos que pagam...

Eu sou contratada desde 99.
Como calculas este ano fui avaliada.
Tive horário incompleto e só tinha 5 turmas e uma direcção de turma.
Como cobaia do processo de avaliação quis fazer tudo certinho, direitinho só para 'ver no que dava' e porque, confesso, sou mesmo assim e gosto pouco de fazer as coisas pela metade.
A minha direcção de turma era 'fresca', só se entendiam comigo. Comecei o ano por perder horas com um PCT que foi apresentado como modelo (por alguém que o apanhou) a um Pedagógico estupafacto que nunca tinha visto nada igual. No 1º período fiz 13 planos de recuperação, andei em cima dos miúdos, nos intervalos ia 'para o campo' saber e conversar com eles, mandava sms aos pais numa base quase diária, fiz 'resmas' de contactos escritos, telefónicos e presenciais. A turma acabou por modificar completamente a sua postura e a relação com os outros professores e acabou o ano com apenas um repetende (e ainda hoje me condeno o facto de não o ter conseguido 'recuperar'), fiz exposições de trabalhos (e numa escola que tem agrupamento de artes no secundário os meus meninos de 3º ciclo não ficaram nada mal vistos!), colaborei com a biblioteca lançando uma Zona Oficial de BookCrossing na escola, pus as turmas de 8º a participarem no concurso de banda desenhada que a biblioteca lançou para as turmas de artes do secundário (e onde afinal mais ninguém senão os meus participaram), 'interdisciplinei' com Língua Portuguesa realizando ilustrações para as obras de leitura obrigatória que os miúdos estudaram nessa disciplina (O Cavaleiro da Dinamarca com os 7ºs e o Gato Malhado com os 8ºs), as ilustrações do 8º foram ainda alvo de outra exposição, não tendo sequer a formação Cívica com a 'minha' turma dei-lhes apoio voluntário na biblioteca para a organização de cadernos e realização de trabalhos, etc, etc, etc.
Sabes qual foi o resultado?
Eu conto-te...
Entrevista com o Presidente:
-Não te dou 10 porque não estou para chamar ninguém para certificar essa nota; não te vou dar 9 porque a escola só tem cota para dar dois 9 e eu tenho muita gente para avaliar e ainda não sei 'o que vai aparecer'; não te dou 8 porque tu deste dois artigos para ficares com os teus filhos doentes em casa. Levas 7 e meio. Não te prejudico na carreira e não me chateio.
Agora diz-me... achas que eu vou continuar a preocupar-me e a trabalhar em casa que nem uma estúpida, 'enxotando' constantemente os meus filhos para o lado para continar a ter 'setes e meio'?
Vês?! Eu sabia que ias compreender-me...

Loca disse...

Loca disse...

Quando eu disse que era assim que ia acontecer a qualquer professor contratado e/ou de QZP na primeira reunião sobre avaliação, disseram-me: Não, nunca na vida! E eu, achas que acreditei neles?
É triste....

Loca disse...

Cenoura disse...

Olha, acabei de ser colocada na Secundária Alfredo da Silva, no Barreiro. Bela pespectiva: o liceu dos betos da cidade...
Achas que alugue um helicóptero?
Achas que durma na escola?