domingo, outubro 02, 2005

A saga dos correios

Image hosted by Photobucket.com
No dia 27 de Setembro fui toda lampeira aos correios enviar cinco livros. Ia toda contente porque os envelopes estavam tão bonitinhos que sorria só de pensar que quem os recebesse iria concerteza gostar. Qual não foi o meu espanto quando, no posto de correio onde os funcionários todos sabem o meu nome, porque a minha irmã trabalha lá, fui mal atendida. A funcionária que me atendeu é uma muito mal disposta, que anteriormente já tinha implicado com o correio editorial, eu achei que aquilo não iria correr bem mas... lá a fui cumprimentando sorridente. E agora em diálogo para ser mais engraçado (F- Funcionária incompetente, LB- Loca-Bandoca, V- Minha irmã):

F. Não pode utilizar correio editorial, é só para as editoras...
LB. Não, a taxa de livro é para qualquer pessoa, vai assinalado no envelope que é um livro, pode verificar se quiser.
F.(Virando e revirando os envelopes um a um) Mas de qualquer maneira não pode enviar estes dois, que são de correio verde...
LB. Não desculpe, já foram de correio verde e pagaram a taxa respectiva, agora são reciclados e irão pagar uma segunda taxa.
F. Isso não interessa, não podem seguir.
LB. Já não é a primeira vez que eu envio envelopes verdes reciclados e, de qualquer maneira, desde que não esteja visível nenhuma marca ou carimbo do envio anterior, o envelope é como se fosse novo. Eu é que reciclo tudo e também reciclo os envelopes.
F. Está bem mas não podem seguir e, de qualquer maneira, nenhum deles pode ir assim colado (estavam colados com fitacola), a sua irmã sabe que envia os envelopes assim?
LB. (cara de espanto com olhos esbugalhados) Deve saber, mas o que é que ela tem a ver com isso?
F. (Desaparecendo com os dois envelopes verdes e mais um dos outros, volta com V)
F. Sabes que ela manda os envelopes assim colados, não pode.
V. Eles do bookcrossing mandam sempre assim.
F. Mas não pode, têm que ir abertos para fazer verificação.
LB. (Abrindo um dos envelopes)E todos eles podem ser verificados, quer ver?
V. Eu empresto-te fio, tesoura e um furador e tu pões com fio.
LB. 'Tá bem, obrigado.
V. De qualquer maneira vocês não podem mandar por correio editorial, é só para as editoras.
LB. Não quando se refere à taxa de livro, vai verificar na página dos CTT.
V. A página dos CTT não diz tudo, está desactualizada e no que falta é que diz que vocês não podem.
LB. Desculpa V. mas não é assim, ainda ontem estive a falar com outros BCs que enviaram cartas de reclamação para o provedor dos CTT e este disse que nós podemos.
V. Não podem, um dia lixam-se, nós é que fechamos os olhos, mas quando forem apanhados, pagam uma multa enorme(e vai-se embora, atarefadíssima).

(Imaginem o quão agradável deve ser, numa terra onde todos se conhecem, este diálogo alto e bom som, e com toda a gente a olhar e a achar que aquela ali, só porque a irmã trabalha nos correios, está-se a aproveitar para fazer falcatrua e pagar menos dinheiro)

F. (Vai atendendo outros clientes) Já tem algum envelope pronto? Dê cá que eu faço já.
LB. Prefiro dar todos juntos.
F. Mas eu só posso fazer um de cada vez.
LB. E eu também, agora estou a fazer os outros e não lhe podia pagar esse.
F. Mas de qualquer maneira, quando tiver todos prontos, tenho que levar esse do correio verde para perguntar à chefe.
LB. (Ignorando-a mas com vontade de lhe ir às trombas)Agora já pode, já estão todos.
F. Hoje vai mesmo assim, que eu não estou para me chatear, mas eu vou verificar se os envelopes verdes podem ir assim.

Enviei os livros, fiquei danada com o atendimento e, sobretudo com a reacção da minha irmã, que foi ver a página comigo e com o meu irmão. E fiz o que sempre faço, fui ver para quem deveria fazer uma reclamação, escrevi-a, enviei-a por mail e CTT e agora estou a aguardar a resposta. Assim que a tiver, vou imprimir tantas vezes quantos os funcionários daquela estação e vou lá entregar em mão com um grande sorriso cínico. Detesto gente incompetente que não tem brio no que faz!

4 comentários:

Patrícia disse...

E tao irritante nao e....bolas!
Eu felizmente nunca tive problemas, sempre enviei os livros dos correios do Campo Grande (Av. do Brasil) e sempre foi sem espigas, excepto uma vez que tive de por fio porque nao gostaram do meu metodo...
Eu acho que todos nos deviamos andar providos de copias das reclamacoes e respectivas respostas, para mostrar nos correios sempre que ha problemas!

Beijocas

Conto disse...

Que envelope lindo! Que inveja!!! Acho que me vou inscrever em rings e pedir para ficar sempre depois de ti, he, he!

Pronto, pronto, eu vou-me controlar! Que a inveja é um sentimento muito feio, eu sei!

Mas está lindo, lindo de morrer, sério! Muitos parabéns.

Quanto aos correios... acho que não vale a pena dizer nada, excepto que fizeste muito bem, mas... é tão triste!
E quase mais triste ainda que reclamem com envelopes tão bonitos! Deviam era dizer coisas como "toda a gente devia fazer coisas assim, o país ganhava com a poupança em envelopes, os correios ganhavam com uma imagem bonita e quem os recebesse, ganhava um sorriso para o dia todo!"...
Enfim!...

Teresa disse...

Que lindo envelope! E que raiva! Acho que às vezes pode ser melhor enviar onde não nos conhecem, parece que tem mais respeito assim - pelo menos em Lisboa onde não sabem quem lhes pode aparecer pela frente. Ah, e parece ser a norma interna 40 que define taxa de livros para particulares, se vierem com essa treta de ser só para editores diz só "importa-se de ir verificar o que diz a norma interna 40?".

Mas que raiva e poe mais fotos desses envelopes lindos..

Anónimo disse...

Que parva , a mulher dos correios.Mas não desististe, ainda bem!
Mas foi só inveja dela, de certeza: com envelopes tão bonitos!!
Força, Loca! :)

mita1